Atividade física em foco | Obesidade Pt. 2

0
377
Obesidade
Obesidade (Reprodução/Google)

Continuando o assunto sobre a obesidade, vimos alguns dados epidemiológicos e as causas que podem estar gerando a obesidade, o que veremos agora são quais as consequências isso implica na vida das pessoas.

CONSEQUÊNCIAS

A obesidade infantil pode acarretar diversas consequências para a saúde, tais como: problemas ortopédicos, neurológicos, pulmonares, endócrinos, fatores de risco para doenças cardiovasculares, problemas sociais, econômicos e, principalmente, persistência da obesidade na vida adulta. Crianças obesas quando comparadas a não obesas apresentam o dobro de chance de se tornarem adultas com sobrepeso (Mello e Luft, 2004).

Atualmente, 60% das crianças obesas já apresentam um ou mais fatores de riscos cardiovasculares, principalmente quando a gordura se localiza na região abdominal, o que pode levar à hipertensão arterial, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica.

Leia também: Atividade física em foco | Obesidade Pt. 1

Outros achados verificados em crianças com sobrepeso foram: concentrações séricas de colesterol total, LDL, VLDL elevadas e baixas concentrações do HDL representando alta relação com a aterosclerose e problemas cardíacos. Não esquecendo que esses resultados têm grandes possibilidades de se apresentarem na vida adulta.

Segue abaixo algumas das possíveis complicações da obesidade quando iniciada na infância e adolescência (Mello e Luft, 2004).

• Cardiovasculares – Hipertensão arterial, hipertrofia do coração.
• Cirúrgicas – risco cirúrgico aumentado.
• Crescimento – Idade óssea avançada, menarca precoce.
• Articulares – Maior predisposição a artroses, osteoartrite, epifisiólise da cabeça femoral (desarranjo na articulação femoral), desvios posturais.
• Cutâneas – Maior predisposição a micoses, dermatites e piodermites (processos infecciosos da pele).
• Endócrino-metabólicas – Resistência à insulina e maior predisposição ao diabetes, hipertrigliceridemia e hipercolesterolemia.
• Gastrointestinais – Aumento da frequência de litíase biliar, esteatose hepática e esteatohepatite.
• Neoplásicas – Maior frequência de câncer de endométrio, mama, vesícula biliar, cólon/reto, próstata.
• Respiratórias – Tendência à hipóxia, devido ao aumento da demanda ventilatória, aumento do esforço respiratório, diminuição da reserva funcional, apneia do sono, asma.

Outros achados verificados em crianças com sobrepeso foram: concentrações séricas de colesterol total, LDL, VLDL elevadas e baixas concentrações do HDL representando alta relação com a aterosclerose e problemas cardíacos. Não esquecendo que esses resultados têm grandes possibilidades de se apresentarem na vida adulta.

Além das complicações citadas acima, a obesidade também está relacionada a uma maior taxa de mortalidade. E, quanto mais tempo o indivíduo se mantém obeso, maior é a chance de os problemas ocorrerem (Mello e Luft, 2004). 

CONCLUSÃO

A obesidade e o sobrepeso estão atingindo crianças e adolescentes do mundo inteiro, independentemente da classe social. Essa epidemia multifatorial pode causar diversas doenças cardiovasculares e alterações no quadro de saúde, tanto fisiológico quanto psicológico. Nesse sentido, a atividade física assume um papel importante na prevenção e proteção tanto para as crianças como para os adultos, podendo evitar doenças e complicações como as citadas anteriormente. Mas, para isso, é preciso uma conscientização dos pais, das autoridades e da população em geral sobre os benefícios do exercício físico.

É importante perceber que um maior investimento na implementação de atividades físicas nas políticas públicas pode ser mais eficiente do que o aumento de remédios de graça e da mão-de-obra hospitalar, o que tem gerado um alto custo para o país e para a própria população.

Fonte: Grupo gease

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BRAY GA. Pathophysiology of obesity. Am J Clin Nutr. v. 55, p: 4885-4945. 1992.
2. DENNISON BA, ERB TA, JENKINS PL. Television viewing and television in bedroom associated with overweight risk among low-income Preschool Children. Pediatrics. v.109, p:1028-1035. 2002.
3. ENES CC, SLATER B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Rev. Bras. Epidemiol. v. 13, n. 1. 2010
4. HANCOX RJ, POULTON R. Watching television is associated with childhood obesity: but is it clinically important? Intern J of Obesity. v. 30 (1), p: 171-75. 2006.
5. JEBB SA, MOORE MS. Contribution of a sedentary lifestyle and inactivity to the etiology of overweight and obesity: current evidence and research issues. Med Sci Sports Exerc. v. 31(11), p: S534. 1999.
6. LOWRY R, WECHSLER H, GALUSKA DA, FULTON JE, KANN L. Television viewing and its associations with overweight, sedentary lifestyle, and insufficient consumption of fruits and vegetables among us high school students: differences by race, ethnicity, and gender. Jsch Health. v.72, n.10, p: 413-421.2002.
7. MELLO ED, LUFT VC, MEYER F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? J de Pediatria. v. 80, n. 3, p:173-182, 2004.
8. MONTEIRO CA, CONDE WL. Tendência secular da obesidade segundo estratos sociais: Nordeste e Sudeste do Brasil. Ar. Bras. Endocrinol Metab. v.43, p: 186-94. 1999
9. OLIVEIRA AMA DE, CERQUEIRA EMM, SOUZA JS, OLIVEIRA AC. Sobrepeso e obesidade infantil: influência de fatores biológicos e ambientais em Feira de Santana, BA. Arq Bras Endocrinol Metab. v. 47(2), p: 144-50. 2003.
10. PORTO EBS, MORAIS TW, RASO V. Avaliação do nível de conhecimento multidisciplinar dos futuros profissionais na propedêutica da obesidade. Rev Bras Nutr Emagrecimento. v. 1(2), p: 67-71. 2007.
11. WANG Y, MONTEIRO CA, POPKIN BM. Trends of obesity and underweight in older children and adolescents in the United States Brazil China and Russia. Am J Clin Nutr. v. 74, p: 971-7. 2002.
12. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Report of a who consultation. WHO. Technical Report Series n. 894. Geneva 2004.

Você pode encontra Daniel Ceccon nas seguintes redes sociais: 


INSTAGRAM
FACEBOOK
EMAIL
SITE